26 de xan. de 2017

CAMINHA

CÂMARA CONSEGUIU GARANTIR APOIO DE 1,5 MILHÕES DE EUROS PARA REABILITAÇÃO URBANA EM CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

Abrangido o centro histórico de Caminha e a área da Sandia em Vila Praia de Âncora


Infogauda / Caminha

 A candidatura apresentada pela Câmara Municipal para reabilitação urbana do Centro Histórico de Caminha e da zona da Sandia, em Vila Praia de Âncora, foi aprovada, estando assegurado um apoio comunitário de 1,5 milhões de euros. A boa notícia foi transmitida ontem à população, durante a reunião descentralizada do Executivo, que se realizou no Salão Nobre do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora.   

 As inundações constantes das habitações e logradouros nas zonas da Sandia e Vista Alegre, em tempo de chuva, foram ontem um dos assuntos mais focados na reunião. Três dos primeiros intervenientes referiram-se precisamente a este problema, muito antigo e agravado na altura da construção da A28. O vice-presidente Guilherme Lagido, explicou que essa situação o impressionou bastante há cerca de quatro anos, quando percorreu mais demoradamente o território ainda como candidato, verificando, ao chegar à Câmara, que não existia qualquer projeto para responder a esse problema, “angustiante”, como o classificaria a seguir Miguel Alves.  

 Com um quadro comunitário já fechado, em que o Governo que o negociou, entendeu não ser prioritária a reabilitação urbana, havia contudo uma exceção, que este Executivo agarrou de imediato, mas que apenas contemplava perímetros urbanos  com  carências  devidamente fundamentadas e de intervenção perfeitamente clarificada. 


 O Executivo fez aprovar, no final de 2014, a delimitação de duas áreas de reabilitação urbana: do Centro Histórico de Caminha e da Sandia, em Vila Praia de Âncora, elaborando a respetiva candidatura, agora contemplada com 1,5 milhões de euros, dos quais 800 mil serão para a zona da Sandia e Vista Alegre, contemplando uma população da zona alta da freguesia, maioritariamente envelhecida, e que até agora não tinha conseguido fazer ouvir a sua voz junto da Câmara Municipal.  

 Os problemas da parte alta da freguesia de Vila Praia de Âncora não ficam por aqui, tendo o Executivo sido igualmente questionado sobre a zona do Caminho da Rocha, também fustigada pelas águas pluviais. Guilherme Lagido informou que a Câmara está a preparar a resposta também para esta situação, estando o projeto já elaborado. A intervenção não será imediata, conforme esclareceu o presidente, sobretudo por razões financeiras, uma vez que a obra necessária é bastante onerosa.  

 Outras obras, o Dólmen da Barrosa, o PDM, o abrigo dos animais e a toponímia, entre outros, constaram também do debate. Sobre a conclusão e/ou início das intervenções de maior envergadura, o presidente da Câmara informou que a primeira fase da intervenção no Dólmen da Barrosa, no âmbito do Orçamento Participativo, deverá ficar concluída até final de março, altura para a qual se aguarda o visto do Tribunal de Contas, para que a Câmara possa avançar com a obra do Nó da Erva Verde, um investimento de cerca de 600 mil euros. Antes do verão deverá também estar pronto o novo troço da Ecovia, entre a Capela de Santo Isidoro e a zona norte das Camboas.  

 O abrigo dos animais foi abordado pela presidente da Associação Selva dos Animais Domésticos, que apelou a uma consciência maior das pessoas em relação à forma como tratam os animais, por forma a diminuir os problemas de abandono, designadamente cumprindo a lei que obriga, desde 2008, a colocar chip nos cães, assim como a proceder ao seu registo. Falou também da importância da esterilização de cães e gatos. O presidente informou depois sobre o processo de contratação do veterinário municipal e elogiou a associação, afirmando que honra o concelho de Caminha.   

 Logo no início da reunião, o presidente da Junta de Freguesia, Carlos Castro, elogiou estas reuniões descentralizadas e felicitou a Associação de Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora pelo centenário e pela obra executada no Cineteatro, dando ao mesmo tempo os parabéns à Câmara Municipal pelo protocolo realizado com aquela associação.  

 O responsável elencou também alguns problemas, como foi o caso, entre outros, dos decorrentes da falta de drenagem de águas pluviais em várias zonas da freguesia e as questões decorrentes da construção da A28, não acautelados na altura; as ruas pavimentadas em calçada à portuguesa, e reivindicando maior cuidado com áreas como a Praça da República e a Avenida Ramos Pereira.      

 Miguel Alves, a finalizar, congratulou-se por, sendo esta a terceira reunião descentralizada em Vila Praia de Âncora, se verificar que os problemas mais repetidos nos encontros anteriores já não se colocam, porque estão resolvidos ou em vias de resolução. Referiu-se, entre outros, à Bandeira Azul, Dólmen da Barrosa, Nó da Erva Verde, ação das intempéries e riscos para a manutenção da praia e Travessa do Teatro.    


Ningún comentario: