4 de xul. de 2017

PATRIMONIO

Um plano ilustrado no Alto de Sam Salvador (Monterrei - Ourense)     



ENCONTROS  POLIORCÉTICOS  

 Seis anos volvidos desde que se iniciasse a Guerra dos Sete Anos, as tropas castelhanas entram o dia 4 de Maio de 1762 em Portugal, desde Samora e indo para Chaves. A praça cai o  dia 21 do mesmo mês. É alí que começa a história de um desenho militar ilustrado notabilíssimo que, ao nosso entender, nom tivo aplicaçom prática no terreno: Forte do Alto de S. Salvador.  

 Este posto, segundo se afigura no plano, possibilitava 4 dependências e 4 armazens a prova de bomba para 200 homens (esta-se a falar já de abóbadas em silhar,...), sediadas nas cortinas que olham para a campanha ou glacis (e que presupomos de orientaçom noroeste). Regista 2 paiols aderidos aos flancos/faces menores no eixo que aquí aparece em disposiçom horizontal (a carta nom tem cardinalizaçom nenhuma, diga-se de passagem). Todavia, temos um corpo de guarda para os soldados e outros espaços, como esse corpo de guarda do Oficial, junto do quarto do Governador, Pavilhons e Capela, criam um fecho de gola no baluarte Sul bem como um pátio triangular interno.   

 O  petipé indica-nos umha metódica de mediçons baseada na Toesa, de importaçom borbónica, equivalente a 1,949 metros  ou 7 pés castelhanos (0,278635 cms.). Daí o nosso espanto com as dimensons reais que tencionavam implementar-se no Alto de S. Salvador. O projeto era verdadeiramente convidativo por servir de elemento claramente dissuassor face o inimigo. Este documento militar, arquivado em Simancas, está assinado a dia 29 de Outubro de 1762 numha cidade de Chaves ocupada. A carreira do engenheiro militar Miguel Moreno ainda nom estava no topo.  

 Tentando desvendar estas medidas com o máximo rigor e sempre sob os critérios indicados nesse petipé, deparamo-nos com os seguintes dados: Axialidades de 203 m. e 153 m., sem ter em conta os fossos e caminhos cobertos. Umha Planta Externa Hexagonal (tendo em conta os 2 revelins) de 714 m. de perfil. O seu perímetro real era de 312 metros de comprimento e umha superficie que recolhe os 5.260  m2. A carta reproduz a típica superposiçom de andares ou estancias, de pegada ilustrada, axializada em duas metades, de diferentes cores, em aguadas onde evita-se um acentuado contraste cromático. Aparecem com clareza a cisterna central, acesso principal atenalhado e de orientaçom muito provavelmente Suleste, bem como a possibilidade de efetuar tiros à barbeta no alto dos baluartes. Os fossos tenhem  larguras díspares de 10 m., 18 m., 24 m., e até os 30 m. De sublinhar, as angulaçons dos bastions: Conforme à  distribuiçom cardial do plano, amoldada como  idealizaçom e projeto com pernas para andar, advertimos que o baluarte esquerdo tem 48  graus, o direito 49 graus, o superior com 70 graus e o inferior 97 graus. 

(Continuará)

Ningún comentario: