4 de xuño de 2017

VILA PRAIA DE ÂNCORA (CAMINHA)

FORTE DA LAGARTEIRA JÁ ESTÁ ABERTO AO PÚBLICO

Cerimónia de abertura contou com a apresentação do programa ‘Vila Praia – Âncora de Emoções

Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha, na cerimónia de abertura do Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora
Foto: C.M.C.

Infogauda / Vila Praia de Âncora

 Vila Praia de Âncora registou mais um acontecimento importante para a sua história e para as suas gentes. A abertura ao público do Forte da Lagarteira, um ícone para todos os ancorenses, ficou marcada pela apresentação do programa ‘Vila Praia – Âncora de Emoções’, que contem as mais de 50 atividades que vão marcar o verão na vila mais populosa do concelho.   

 Decorreu o 1 deste mes, ao final da tarde a cerimónia de abertura do Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora. A sessão contou com a presença de Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha, Melchior Moreira, presidente da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal, vereadores do Município de Caminha, representantes das associações que vão organizar algumas das atividades anunciadas, e muitos populares que se juntaram para fazer parte da história do Forte da Lagarteira e de Vila Praia de Âncora.   

 A partir de agora, o Forte está aberto de terça-feira a domingo, das 10H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00. Tal como foi anunciado por Miguel Alves a 3 de maio, aquando da assinatura do protocolo de cooperação com a Autoridade Marítima Nacional, que permite a sua fruição pela população e pelos turistas, o Forte da Lagarteira abriu portas com uma exposição, que conta a sua história e as circunstâncias em que foi construído e com a apresentação do programa ‘Vila Praia – Âncora de Emoções’. O presidente da Câmara realiza, assim, mais um sonho de todos os ancorenses acalentado há muitos anos. Recorda-se que o imóvel esteve até agora fechado e sem qualquer utilização sendo agora devolvido à população e ao turismo.   

 ‘Vila Praia – Âncora de Emoções’ é um programa forte e de qualidade que vai colocar Vila Praia de Âncora e o concelho de Caminha nos roteiros turísticos mais apetecíveis.   São mais de 50 atividades culturais, desportivas, religiosas, gastronómicas que Vila Praia de Âncora tem para oferecer a quem cá vive e a quem a visita. O objetivo é fazer de Vila Praia de Âncora um destino turístico de sonho e ao mesmo tempo promover as associações e a economia do concelho. Com este programa, Vila Praia de Âncora tem tudo para oferecer a quem a procura: eventos de qualidade, com destaque para o concerto de Rodrigo Leão ou Camané; praias com bandeira azul; gastronomia e hotelaria de qualidade, equipamentos culturais, desportivos e de lazer, entre outros.   

 Os eventos são muitos e para todos os gostos e idades. Em junho, destacam-se o concerto de Ricardo Carriço, o I Trail do Vale do Âncora e o XTREM CHALLENGE; em julho, a elevação de Gontinhães com a apresentação do Cancioneiro do Concelho de Caminha; o concerto do Rodrigo Leão; o AMFF in Concert; o Festival Blues Soul; a Aposta Bacalhau; em agosto, o Concerto Antologia Opereta com a Orquestra do Norte, Coro Sinfónico Inês de Castro e Orfeão de Vila Praia de Âncora; Viagens à Terra Nova; Fado Forte com Camané; Âncora Folk; Festival Gastronómico do Espadarte; Festa do Mar e da Sardinha; em setembro, o II Open Internacional de Pesca Desportiva; a Festa em Honra de Nossa Senhora da Bonança com Quim Barreiros e Zé Amaro; a Feira Agrícola e dos Produtos Tradicionais e o VII Grande Trail da Serra d’Arga.   

 O Forte da Lagarteira foi mandado construir por D. Pedro II no século XVII na sequência das Guerras da Restauração da independência (1640-1668) para o reforço da costa portuguesa perante a ameaça espanhola, integrando-se na linha de defesa estrategicamente colocada nas margens do rio Minho e ao longo da costa atlântica.   

 De acordo com os registos, o Forte da Lagarteira, de arquitetura militar, “integra-se no grupo de fortes seiscentistas de planta estrelada, de pequenas dimensões e alçado simples. Cruzava fogo com o Forte de Santiago. Denota persistências de formas de caráter medieval, observável no balcão fechado, e sua conciliação com uma conceção planimétrica e militar completamente distinta e de cariz seiscentista”. 

 O Forte foi classificado como Imóvel de Interesse Público, pelo decreto nº 47 508, DG, 1.ª série, n.º 20 de 24 janeiro 1967.

Ningún comentario: