18/05/2017

CAMINHA

CINEMA

Boletim da Sessão nº 296  

"Noite de Estreia" de John Cassavetes (1977)

Sexta-feira, 19 de maio às 21:45 no Auditório do Museu Municipal de Caminha


Locus Cinemae / Caminha

 (…) A característica mais notável dessa obra de John Cassavetes é a inserção teatral enquanto dramaturgia, principalmente dizendo respeito às atuações. Há uma diferenciação notória em cena que incide sobre o cinema e o teatro, algo cuidadosamente tratado e dirigido. Os atores são pilares desse filme multitemático e Gena Rowlands, com sua Myrtle Gordon, entrega uma das performances mais impressionantes já oferecidas pela arte da ilusão, pela ilusão da atuação, ou não atuação, da naturalização como emenda de uma personagem sem restritas dimensões. A linguagem particular do cineasta encontra aqui um de seus maiores desafios e impressiona.
 John Cassavetes investe como de hábito na concepção das características individuais de cada um de seus personagens. Aqui, de personagens vivendo personagens, criando intersecções temáticas e influindo na percepção do artista no palco, e para nós em frente à câmera. Noite de Estreia é um filme tão bem narrado que ficamos absolutamente amarrados à história. Seus enquadramentos e sua iluminação incisiva são tão absorventes que é quase impossível passar ileso a sua atmosfera e assimilações, um turbilhão de contrapontos de vivências teorizadas pela angústia do tempo, precisamente pela linha do envelhecimento e inevitável morte.
 A naturalização das personas é um atributo quase autoral do diretor que labora com fineza.  Aqui, ele dá uma margem de liberdade aos atores, em certo ponto nota-se uma métrica. Tal condição é proposital, além de autoral. Seguinte à meticulosidade dos passos e nuances projetivas, típicos dos trejeitos mais expressivos com investimento em faculdades corporais e de voz, mais numa lógica de representação fielmente teatral, o filme converte-se em outra coisa. Quando a cortina sobe, a lógica esmiuçada confronta-se à percepção inicial. Assistimos a uma peça filmada. O filme inicia-se recorrente e se acentua como parte natural do tempo, como uma lacuna entre margens ignoradas – outra característica de seu realizador.
 Passamos por distintos questionamentos a respeito dos temas inseridos dentro das representações. A câmera busca todo o tempo as expressões e a projeção termina quase que numa inevitável empatia orgânica. Provém obviamente do fato de uma escolha estética, a base básica da imagem que se lança em meio aos personagens, desconstruindo-os a ponto de questionarmos se atuam ou se revelam-se. Acompanhamos o cotidiano da construção de uma peça até a noite de estreia do sugestivo título, ápice da expectativa de todos os envolvidos na criação que se reinventa. (…)


FICHA TÉCNICA:
Título original: Opening Night, 1977, EUA
Realização: John Cassavetes
Produção: Al Ruban
Companhia produtora: Castle Hill Productions
Argumento: John Cassavetes
Música: Bo Harwood
Fotografia: Alan Ruban
Montagem: Tom Cornwell
Distribuição: Faces Distribution
Duração: 144 minutos
FICHA ARTÍSTICA:
Gena Rowlands: Myrtle Gordon
Ben Gazzara: Manny Victor
Joan Blondell: Sarah Goode
Paul Stewart: David Samuels
Zohra Lampert: Dorothy Victor
John Cassavetes: Maurice Aarons
Laura Johnson: Nancy Stein
Lady Rowlands: Melva Drake

Trailer de "Noite de Estreia" de John Cassavetes

Programação:
   
Maio 2017  
Ciclo Grandes Realizadores  

26 de Maio, “Cartas da Guerra”, Ivo M. Ferreira, Portugal, 2016, Sessão 297 (M/12)  Sessão no âmbito da Feira do Livro organizada pela Biblioteca Municipal de Caminha  No inicio da sessão será exibido a curta metragem “Desesperadamente à procura de um filme”,  realizada no âmbito do Workshop do Plano Nacional de Cinema por alunos do Ensino Secundário do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais.    

Junho 2017  
Ciclo Cinema Italiano  

02 de Junho, “O Milagre de Milão”, Vittorio de Sica, 1951, Itália, Sessão 298(M/12)  

09 de Junho, “As Noites de Cabíria”, Federico Fellini, 1957, Itália/França, Sessão 299 (M/12)  

23 de Junho, “Uma Vida Difícil”, Dino Risi, Itália, 1961, Sessão 300 (M/12)  

30 de Junho, “Deserto dos Tártaros”, Valerio Zurlini, Itália/França/R.F. Alemanha, 1976, Sessão 301(M/12)


Ningún comentario: