19 de out. de 2016

A GUARDA

PATRIMONIO

Durabilidade, Perenidade, Excelência, bases da Gestom Turístico-Patrimonial

Lenços murarios da Fortaleza de Santa Cruz (A Guarda)
Foto: Galicia Máxica


JOSÉ  BUIZA  BADAS
Membro da Association Vauban

 A abertura de um Centro Interpretativo envolve necessidades atempadas quanto a sua gestom. Os principios basilares de Durabilidade e  Perenidade assentam na ideia de açons compartilhadas entre vários agentes gestores e no propósito de atingir níveis de Excelência que contraordenem os tempos mortos, algum previsível laxismo e a própria insegurança dos Começos. Ao meu ver, pensa-se talvez que com um mínimo de recursos conseguir-se-á manter na linha de flutuaçom um qualquer centro museístico (o C.I. de  Sta. Cruz nom é um Museu, nem um Paramuseu, antes bem um Local para a Interpretaçom). Esse mínimo centralizador, que responde na  prática a um estado geral de escassa disponibilidade económica, nom é suficiente álibi ou raciocínio  para condensar em três unidades museísticas a citada gestom turístico-patrimonial na Guarda.  

 Os agentes prontos para gerir dumha outra maneira a “cousa cultural e turística” podem ser gerais ou particulares. Pede-se-lhes para isso um grau de qualidade e provados acertos e sucessos na sua área de especialidade. O Turismo, tam vital no Baixo Minho, tem nestes umhas valências a provar. A pluralidade na gestom é fundamental, os valores particulares junto dos coletivos, no fenómeno poliorcético, som determinantes. Esta poliorcética resulta umha súmula de potencialidades e nom deve, com efeito, ser homologada com a gratuitidade com que está a ser feita. Podo me engañar, mas é  umha intuiçom que abrigo há muito tempo. 

 É obvio que estas situaçons adversas podem  ser revertidas, reconduzidas, corrigidas a bem de todo e todos. Os chamados grupos e individualidades podem alterar situaçons sazonais de  vácuos, levando o “Castelo” às escolas, a outros espaços e outros locais geográficos. Os conferencistas, as palestras livres e o livre desenvolvimento da interpretaçom darám fólego renovado à própria castellología.

Ningún comentario: